A projeção para os próximos anos indica que a tecnologia será indispensável para o ramo da construção civil. Visto que, hoje é impossível não querer visualizar a sua construção, ou reforma, em 3D antes mesmo que se mova apenas um tijolo. Essa modernização atinge múltiplas áreas, tais como a arquitetura, engenharia,  instalações variadas, construtoras, pedreiros, estudantes, clientes e, principalmente fornecedores.

Os investimentos necessários para se adequar nesse novo jeito de construir são as qualificações referentes à formação dos profissionais sobre o assunto, à instrução sobre os softwares que podem se integrar com a metodologia BIM e despesas com licenças. Os softwares estão em processo de evolução devido às facilidades e atualizações imediatas que contribuem de forma eficiente na construção civil.

Ainda é necessário o convencimento de alguns para economia que é gerada a partir dos investimentos baseados na tecnologia BIM – licenças softwares e qualificação técnica – e facilidades que ela nos traz, tais como assertividade dos custos, previsão dos riscos, controle antecipado das interferências e distribuição de uma mesma informação em tempo real a todos os envolvidos do cliente ao fornecedor, incluindo os profissionais técnicos como os engenheiros civis, hidráulicos, elétricos, ambientais, estruturais, arquitetos, gestores, construtores e outros desse ramo, onde, nisso tudo, a palavra chave é INFORMAÇÃO, visto que BIM (Building Information Modeling), em português quer dizer Modelagem da Informação da Construção. Quanto mais o software for alimentado de informação, mais soluções ele vai ser capaz de trazer para aquela obra.

Assim como na indústria automotiva – onde os carros são projetados e recebem dos seus fornecedores as peças pré-fabricadas para montagem dos veículos – a construção de uma casa seguirá o mesmo raciocínio, ela será construída virtualmente com o uso de ferramentas virtuais (BIM – Building Information Modeling) e os fornecedores adequados estarão aptos a fornecerem elementos pré-fabricados que facilitem a montagem da mesma de forma hábil.

Como citado anteriormente, com a utilização do BIM, a informação é unificada entre todos os envolvidos no projeto de construção, extinguindo as infinitas reuniões e, principalmente os conflitos de informação que surgem do momento em que as informações não são claras, completas ou chegam com distorção. Dessa forma a obra poderá ser concluída com maior objetividade no custo e no prazo de entrega.

A mão de obra também deverá se qualificar e se atualizar tecnologicamente com a utilização de equipamentos eletrônicos, tais como tablets e outros, para fornecer e receber informações sobre a evolução diária da obra, controle de processos e segurança do local.

A carência desses profissionais qualificados está no fato de que na maioria dos casos, esses profissionais não procuram pela formação por conta própria, mas somente quando é proposto pela empresa. Concluindo, na metodologia BIM o foco está na informação de cada elemento. Para cada um deles é calculado um quantitativo de materiais, um custo e um tempo de serviço.
Lorraine Gobi
BIM Manager & Civil Engineer